O Vendedor


Você já teve o prazer de ser importunado por "vendedores de porta-em-porta?" Por exemplo, aqueles caras que te ligam na pior hora possível para vender um produto, ou então aqueles que querem te convencer a entrar para o negócio deles (Herbalife, alguém?)... Creio que sim, afinal, eles estão em todos os lugares. Mas você acha que eles são terríveis? Meu amigo, você não conhece O Vendedor. Sim, ele não é um, mas O Vendedor. O pior de todos. O mais inescrupuloso, o mais manipulador, e o que vende o pior produto. Sim, seu produto pode acabar com sua vida, aliás, CERTAMENTE irá acabar com sua vida. Mas Ele não está nem aí, contanto que possa empurrar este produto goela abaixo. Ele só se importam em terminar sua venda. E muitas vezes ele consegue... 


Sabe, ele é esperto. Ele não vai de porta em porta torçendo para que alguém aceite seu produto. Ele já procura os desesperados por ele, que existem aos montes. E você já deve ter dado de cara com varios, mas não percebeu: nunca se deparou com alguém tão desesperado por uma solução definitiva para seus problemas? Alguém que queria viver feliz tal qual personagens de comercial? Então, O Vendedor vende esse produto, essa solução. 

Ele é tão manipulador, que irá se aproveitar do desespero do "cliente" para realizar a venda: 

-"Meu produto resolverá seus problemas, até a PIOR das dificuldades. E ele nem custa tão caro." Não custa tão caro... graças a Deus até hoje não comprei esse produto, mas acho que ele custa caro sim, viu? 

-"Olha só, você tá visivelmente triste com sua situação atual. Sua família e amigos ficam triste quando você fica triste, mais um motivo para querer resolver sua situação, não?". Olha só, ele apela para o lado emocional, impulsivo, da pessoa. Se ela pensasse melhor, veria que isso é roubada. Mas ele não deixa, ele faz tudo para a pessoa se emocionar, e não usar a cabeça. Todos os vendedores fazem isso, claro, mas ele é O Vendedor, ele é superior a todos em todas as técnicas. E há um motivo: seu produto é tão escroto que dificilmente alguém compraria raciocinando um pouco. Daí a razão de apelar à emoção e impulsos. 

-"É o melhor para você, meu caro. Você não se preocupa com você? Você não é masoquista, para querer continuar nessa situação". Como assim não se preocupa consigo mesmo? Não se preocupar consigo mesmo é aceitar a venda desse cara, tiro no escuro. O cliente perceberia isso se pensasse um pouco, mas, coitado, ele não é permitido a fazer isso. 

O grande erro de quem aceita o produto é que, usando o instinto, o momento, ele não para e pensa: "por quê essa seria a única opção? Por quê só esse Vendedor pode resolver meus problemas?" Você, que tem medo de ser importunado por esse vendedor, fique calmo... como eu disse, ele só vem àqueles que pedem. Esse é o lado bom dessa história. Mas, meu amigo, algum dia na vida você irá pedir por ele, e ele virá. Algumas pessoas podem até chama-lo mais de uma vez, ou por toda a vida. Como não entrar nesse programa de índio? O único jeito é conhecendo a técnica dele. Vimos que ele apela muito a emoção. Não se deixe ser apelado, portanto. Pare e reflita se é isso mesmo que você quer. Questione tudo que o vendedor diz. Essa é a única proteção que temos contra os vendedores em geral, mas com Ele, é bem mais difícil. Requer muita calma, e força de vontade. Mas, ao usar essa técnica, eventualmente O Vendedor se verá sem saída, e ele deixará sua casa. Talvez algum dia ele volta, se você chamar por ele de novo. E irá voltar com novas técnicas de venda, o que exigirá outra linha de raciocínio de você. Mas nada que alguém apto a usar a consciência não possa fazer, com esforço. Quando ele aparecer para você, na primeira vez, o produto dele vai parecer tão legal, tão bom, que você vai se perguntar: o cara que escreveu esse texto sabe do que está falando? Sim, eu sei. O produto é bem chamativo, de modo a fazer inveja em qualquer publicitário. Mas propaganda muitas vezes é enganosa. Sei disso porquê esse cara já me apareceu tantas vezes... Quando ele chegar até você, e se sentir desconfortável em aceitar ou não, pergunte a seus amigos ou família. Quem sabe alguém não possa lhe clarear as idéias. Talvez alguém tenha um conhecido que tenha passado por isso, e até aceitado. Com certeza esse alguém irá lhe ajudar a raciocinar. Como eu disse antes, muitas pessoas, se não todas, irão conhecê-lo em algum momento. Você não é o único cliente dele. 

Agora, você deve estar se perguntando como é esse vendedor. Bem, alguns dizem que ele é um fantasma, sabe? Ele aparece do nada, a gente nem percebe e de repente ele está aqui conosco. Outros dizem que é um sujeito comum, sem nenhum atrativo a primeira vista. Mesmo esses, admitem, porém, que esse vendedor tem umas habilidades estranhas... quando ele chega, ele não aparece apenas na sua frente. Ele te segue a TODO lugar. No seu quarto? Ele vai estar lá, se você estiver lá. Na escola, no trabalho, no banheiro da rodoviária... Até em suas fotos!!! Por isso, creio que ele é um fantasma. Ele vai estar nas fotos de quando você era criança, nas fotos de natal, fotos com a família, com os amigos... Mesmo que você feche os olhos, ele te persegue. Amigo, não dá pra fugir dele. O jeito é enfrentá-lo, usando as técnicas que te ensinei. Antes que o texto acabe, eu preciso repetir uma coisa; uma última frase que resuma o texto todo: 

"Não aceite a venda!!!" 


P.S. Esse texto estava entre as coisas do meu amigo. Acho que ele seria um dos episódios que ele e os roteiristas escreveram. Ele nunca chegou a sair do argumento, eles nem tinham decidido quem seria os personagens principais, secundários, etc. Meu amigo conta que Bocquelet até chegou a fazer um storyboard do episódio, obviamente já decidido como seria a escalação dos personagens (tudo que ele me disse é que a família principal do desenho, inclusive a avó, estaria nele como principais, mas não deu mais detalhes), mas não está com meu amigo. Parece que ficou com Bocquelet os papéis desse storyboard. Aparentemente, os roteiristas estavam meio apreensivos quanto à escalação do Bocquelet, por isso, é provável que se viesse a ser produzido, o episódio seria diferente. 

0 comentários: