Kappa- Monstros do Japão

                                         

Oi gente :)
Aqui estou eu de novo pra "brindá-los" com um pouco de cultura e folclore japonês õ/
O tema de hoje é o Kappa. Alguém aí já ouviu falar? Aposto que ao menos os que leram Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban sim.
Bem, sem enrolações, vou refrescar a memória dos que já viram/ouviram mas que não lembram onde e clarear as do que estão se perguntando "Que diabos é isso?".

   [LEIA MAIS~]

- O que é? -

O Kappa é um espírito/monstro extremamente popular e conhecido no Japão. Diz-se que ele vive em praticamente todos os lagos, pântanos, rios e mares do país e que vez ou outra é visto se deslocando por terra firme em busca de suas presas. "Kappa" é seu nome mais popular, mas dependendo da região ele é chamado também de Kawako, Kawatarou, Kawarakozou, Kawanonushi, Honkou, Hyousunpo e etc.

- Como é? -

Sua aparência varia, mas em geral é descrito como um ser pequeno, quase da altura de uma criança. Tem uma espécie de "pires" que fica no topo de sua cabeça, o qual é a parte mais delicada de seu corpo, pois quando a água que ali se acumula seca, o Kappa morre. Seus cabelos têm um corte semelhante ao que alguns conhecem como "chanel" (ou, como costumo chamar pra que as pessoas entendam mais facilmente "cabelo de Willy Wonka", rs) e a cor de sua pele escamosa varia entre vermelha, acinzentada, azul, amarela e azul-escuro. Nos pés e nas mãos há membranas que facilitam sua locomoção dentro da água e geralmente não possuem mais que três dedos. Seus braços, alguns dizem, esticam o quanto quiserem e são fáceis de arrancar. Embora soe estranho, dizem também que os Kappas gostam de arrancar as nádegas das pessoas.
Seu alimento preferido é o pepino e pessoas que moram próximas à lagos e rios costumam oferecer pepinos durante rituais de idolatria a deuses da água pedindo proteção e segurança contra alagações e tsunamis.




- Comportamento -

Seu comportamento é relativo, pois os Kappas têm seus dois lados: o lado maléfico consiste em hábitos nada amigáveis, tais como afogar crianças que brincam nos rios, arrastar cavalos para o fundo de lagos, devastar e estragar plantações de legumes e verduras e em alguns casos possuir pessoas até que elas definhem. Já pelo lado benéfico, gostam de sumô e ajudam na plantação de arroz dos camponeses, cuidando e arrancando os matinhos que crescem em volta dos arrozais. Os que vivem em montanhas até ajudam no transporte de madeiras cortadas. Em alguns casos, tornam-se espíritos protetores de determinadas famílias e zelam pelo bem delas, mandando-lhes todos os dias peixes frescos para que jamais falte comida em seus lares.
Existem inúmeros casos pelo país de pessoas que dizem terem sido arrastadas para rios por Kappas e terem conseguido escapar decepando o braço deles. Houve, inclusive, um relato de uma mulher que fora "molestada" por um. Enfezada, ela decepou seu braço e, a fim de pegá-lo de volta, o Kappa teria feito um acordo com ela, dizendo que lhe ensinaria a fórmula de um remédio poderoso para recuperação de ossos fraturados. Relatos semelhantes já foram registrados por outras pessoas que dizem ter feito acordos com Kappas a fim de devolver-lhes ou dar-lhes algo que lhes despertasse interesse.


- Origem -

Uma das supostas origens do Kappa seria a de que durante uma construção de um castelo, Sa Gorou, preocupado com o prazo de entrega da construção, teria esculpido dezenas de bonecos de cêra e dado vida a eles através de feitiçaria. Utilizando-os então como mão-de-obra ele teria enfim finalizado o castelo, mas sem saber como se livrar dos bonecos, teria jogado todos em um rio. Os bonecos perguntaram-lhe então o que deveriam comer para viver e ele respondeu "comam nádegas de humanos" (é, eu sei, isso é bizarro). Estes bonecos então teriam se tornado Kappas.



Jornal com notícia de avistamento da Kappa


- Como se proteger? -

Para "combater" um kappa, utiliza-se de dois métodos. O primeiro é cumprimentá-lo muitas vezes, curvando a cabeça, como fazem os japoneses. Como é uma cortesia fora do comum, o kappa vai sentir-se obrigado a curvar a cabeça, em resposta. Após vários cumprimentos com a cabeça, todo líquido (que lhe dá poderes e força, fora da água) terá se derramado do topo de seu crânio e ele será forçado a voltar ao seu lar aquático. Outra estratégia para aplacar um kappa mal-intencionado é dar-lhe pepinos para comer, pois todos sabem que é seu alimento predileto. Diz-se que riscar o nome dos familiares na casca de pepinos e depois jogá-los dentro da água protege essas pessoa contra os kappas, que, ao aceitarem os pepinos para comer, ficam moralmente obrigados a não fazer mal a essas pessoas.



- Curiosidades -

- Existe um templo chamado Manmyouji que fica em Unzen, no estado de Nagasaki, onde o tesouro do templo é um suposto braço de um líder Kappa que vivia no lago Suwa, derrotado por um feiticeiro.

- O "Kappa Sushi" ou "Kappa Maki" recebeu esse nome por conter pepino, o prato predileto dos Kappas no recheio.

- Os braços e as pernas de um kappa, quando presos de novo ao corpo, ficam como novos em questão de dias.

- No Japão o famoso "corte chanel" é chamado também de "Kappa Atama" por ser um corte que deixa os cabelos parecidos com o do espírito.

- Gostam de sugar as entranhas e beber o sangue de suas presas. e têm preferência especial pelos rins delas.

- Lembram quando eu disse no início do post que quem havia lido Harry Potter certamente já teria ouvido falar em Kappa? Pois bem, o motivo de eu ter dito isso é que em "Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban" Harry cita ter tido aulas com o professor Lupin sobre os Kappas.

- Kappas são figurinhas carimbadas em desenhos animados e video games. No desenho Naruto o bijuu de três caudas é uma criatura semelhante a um Kappa, porém apresenta três caudas e uma concha de ostra na cabeça (porém com espinhos nas bordas). Já nos jogos Harvest Moon: Friend of Mineral Town e More Friends of Mineral Town, um Kappa é encontrado em um lago, mas só pode ser visto se for jogado um pepino nesse lago.




Foto do Templo


Foto da Garra que está guardada no Templo


Placa de Perigo do rio com a Kappa

0 comentários: