Ars Goetia

                                                 
A Ars Goetia(A Arte de Uivar) é uma prática que inclui a invocação e evocação de demônios. Baseada na tradição judaico-cristã na qual o rei de Israel, Salomão fora agraciado pelos anjos com um sistema que lhe dava poder e controle sobre os principais demônios da Terra e todos os espíritos menores governados por eles, a Goetia também deu o rei e a seus discipulos, toda espécie de poderes sobrenaturais, como invisibilidade, sabedoria sobre-humana e visões do passado e futuro.
A arte goética é ensinada na primeira parte das Clavículas de Salomão, nela são descritos todos os 72 Espíritos Infernais e seus selos, os principais materiais usados na evocação e as conjurações para chamar-se o espírito.

O Ritual

A primeira coisa a se fazer é escolher com qual espírito irá se trabalhar. Deste momento dependerá o sucesso ou não da evocação.
A segunda parte do livro descreve de forma mais detalhada as ferramentas utilizadas, assim como os acessórios opcionais que em sua maioria trarão maior eficiência ao rito.
Iniciam-se então os preparativos para a evocação, certifique-se de que não será interrompido de forma alguma antes de começar.
Coloque o Selo do espírito no triângulo e entre no círculo. O próximo passo é a realização de um ritual de banimento seguido da Conjuração Preliminar.
À hora das Conjurações começa pela Conjuração Preliminar do Não-Nascido. O uso das invocações (explicadas da terceira parte do livro) é geralmente usada pela força que causa na psique do mago e pelo seu sucesso já provado em diversas ocasiões. No entanto, mais importante do que seguir os passos é envolver-se mental e emocionalmente com o texto.
As Conjurações devem ser feitas até que se sinta a presença do espírito invocado, isto pode ser notado por uma sensação visual de o quarto encher-se de neblina, queda súbita de temperatura, sensação de formigamento no corpo, etc...
Com a chegada do espírito às ordens podem ser então dadas a eles.
As ordens ao espírito devem ser claras, e algumas restrições devem ser impostas como um prazo para que seus pedidos sejam compridos ou mandar que ele não machuque amigos e familiares.
Existem três formas de se “trabalhar” com um espírito de Goétia. Pedindo, ameaçando ou recompensando. Na maioria das vezes o espírito pode aceitar ou negar um pedido seu e não exigir nada em troca. Alguns deles, no entanto gostam da negociação. Se for necessário ameaçasse um espírito dizendo que seu selo será destruído.
Será comum você “ouvir” o espírito lhe oferecer mais do que você realmente pediu tentando persuadi-lo a desejar outras coisas. Permaneça firme em sua vontade inicial ou acabará fechando contratos dos quais vai se arrepender depois. Na negociação seja flexível, mas mantenha-se sempre no controle.
Feito isso pode se dar licença para o espírito partir. Use a versão fornecida pelo livro ou reescreva-a em uma forma mais pessoal. A licença deverá ser declarada até não se sentir mais a presença do espírito. Finalmente execute novamente o ritual de banimento. Recolha todos os acessórios e o selo que agora está “ativado”, deverá ser guardado em um lugar seguro.
Tudo o que resta é aguardar o espírito cumprir sua missão. Durante este período haverá manifestações como o aparecimento dos espíritos em sonhos, a visão de vultos, ouvir o seu próprio nome falado alto em uma hora perdida do dia, sensações de arrepio e formigamento e inclusive a sensação do toque além de casos raros de poltergaist.
Se o seu pedido não fora atendido você pode esquecer o ocorrido ou dar um ultimato ao espírito. Para isso conjure o espírito mais uma vez e ordene que complete sua missão em um numero certo de dias sob a pena de ter seu selo torturado e/ou destruído.
O sistema se revelará eficiente para aqueles que buscam poder, hedonismo e prazeres materiais. As conseqüências são parecidas com um vício, cada vez com mais freqüências a pessoa sentira vontade de buscar poder e prazer com os espíritos.

Demônios Goéticos

Há a hipótese de que são entidades primitivas que foram adoradas durante o começo da humanidade e deuses esquecidos que se tornaram demônios após a influencia cristã.
De qualquer forma estes são os 72 reis e príncipes poderosos que, conforme conta o mito, o Rei Salomão encerrou em uma arca do bronze junto com suas respectivas legiões.
Tendo-os aprisionado selou a sua Arca, que através da potencia divina foi encerrada numa gruta ou poço na antiga Babilônia. Passado algum tempo alguns babilônicos desavisados encontraram a Arca e quiseram abri-la, imaginando que tivesse tesouros. Quando conseguiram os espíritos principais imediatamente fugiram com suas respectivas legiões, exceto BELIAL, que entrou em uma imagem e proferiu oráculos, sendo a partir de então adorado com ritos e sacrifícios sangrentos, como uma divindade.

Bons pesadelos...
NÃO BRINQUE COM ESSAS COISAS! 

0 comentários: